A CONTRIBUIÇÃO DA CRIMINOLOGIA PARA A SEGURANÇA PÚBLICA.

Segurança pública é um tema multidisciplinar que passa inicialmente como todo tema pela esfera constitucional que no atual ordenamento jurídico tem enfoque no art. 144 da Constituição Federal. Contudo o tema não fica restrito a apenas ao artigo citado, passa por outras instituições como o Ministério Público, a Defensoria Pública, pelas Forças Armadas e sem dúvidas pelo Poder Judiciário.

Uma ciência que se debruça especialmente sobre o estudo da segurança é a criminologia. Longe das discussões acerca da característica de ciência ou não é inegável que a Criminologia contribui para a compreensão dos fenômenos criminológicos a traz uma série de teorias para ajudar as instituições a traçarem medidas para combater a criminalidade.

Partindo do estudo criminológico a Escola de Chicago foi sem dúvidas a precursora de modelos de prevenção de crimes. Técnicas de reorganização do tecido social e de estudos da influência do meio sobre a pratica dos crimes são duas das maiores contribuições desta escola à Criminologia. Outras Escolas como a da Associação Diferencial e a Teoria da Anomia complementaram estes estudos e formaram uma base forte para o combate efetivo dos crimes.


A Escola da Associação Diferencial criada por Edwin Sutherland teve o grande mérito de trazer a discussão os crimes praticados por pessoas de alta respeitabilidade retirando o estigma de que apenas os pobres eram criminosos. Além desta nova perspectiva mostrou que os resultados de alguns crimes não estavam restritos apenas ao criminoso e a vítima, mas sim a toda uma coletividade. Claramente não excluiu a Escola de Chicago pelo contrário a complementou ricamente.


Outra teoria importante foi a da Anomia criada por Émile Durkheim e Robert Merton. O início desta teoria parte de Durkheim e asseverava que a Anomia seria a ausência de lei e que esta ausência partia de três situações sendo a primeira materializada quando o número de agentes que praticam o crime excede completamente o número das pessoas que não praticam havendo então uma inversão e a ruptura do contrato social implícito que rege a sociedade. No segundo cenário a anomia advém do conflito não das pessoas, mas das normas que não deixam claras as formas de agir do indivíduo ou seja o indivíduo não sabe ou não tem condições de agir naquele dado contexto social. Durkheim aponta uma característica importantíssima para a concepção de crime que é a consciência coletiva, essa consciência é que determina o que é crime ou não (à exemplo a sociedade de 1940 considerava crime o adultério, atualmente a conduta ainda é moralmente reprovável mas não a ponto de ser considerado crime) e esta concepção de consciência é fundamental para a compreensão da terceira conjuntura onde há uma inversão e contestação de valores, uma espécie de desestabilização subversiva.


Robert Merton continua o estudo de Durkheim e afirma que para ele, o crime ocorre quando há uma dissociação entre as aspirações culturalmente prescritas e os caminhos socialmente estruturados para realizar tais aspirações. Portanto, o crime ocorre quando há uma divergência entre os valores culturalmente valorizados e as formas de atingir esses valores logo, a anomia acontece quando o indivíduo não possui meios de atingir essas metas. Para exemplificar a posição dos agentes nessa sociedade contraditória Merton traz as “tipologias de adaptação individual”. São cinco estas tipologias: conformista, ritualista, retraído, criminoso e rebelde. Os conformistas estão de acordo com os valores expostos e os valores sociais de alcança-los (vale lembrar que o contexto histórico é a ascensão do capitalismo americano com a figura do american dream que almejava riqueza e poder); já os ritualistas estão de acordo com os valores sociais, mas não se importa com os objetivos. No caso dos retraídos eles renunciam tanto aos objetivos como aos meios de alcança-los ficando, portanto aquém da sociedade, algo próximo dos criminosos (ou inovadores) que aderem ao objetivo de ser rico e poderoso mas rejeita os meios e essa rejeição acaba fazendo com que ele atue de maneira marginalizada ,ou seja, ao invés de se dedicar a trabalhar e estudar, ele rouba ou trabalha no tráfico de drogas. Por último estão os rebeldes, eles discordam dos valores instituídos e busca outras metas e outras normas e valores sociais.


Estas três teorias apontadas são especialmente importantes para uma boa estruturação de medidas de proteção da sociedade e é importante salientar que as três são unânimes quanto na falta de meios para trazer os indivíduos à participação da sociedade e integração aos objetivos sociais.


A Criminologia contribui também estudando e apontando políticas para a prevenção de crimes. Essas ações são denominadas como politicas criminais que tem por definição:

[...] transformar a experiência criminológica em opções e estratégias concretas assumíveis pelo legislador e pelos poderes públicos. O direito penal deve se encarregar de converter em proposições jurídicas, gerais e obrigatórias o saber criminológico esgrimido pela política criminal. Assim, a diferença entre a política criminal e a criminologia é que aquela implica as estratégias a adotarem-se dentro do Estado no que concerne à criminalidade c a seu controle; já a criminologia converte-se, em face da politica criminal, em uma ciência de referência, na base material, no substrato teórico dessa estratégia.

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Nossos Contatos

Rua Joaquim Pereira Rosa, 1424 - Buritama-SP 

atendimento@exploreconteudo.com.br  |  WhatsApp: (18) 98152-8769

  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black Instagram Icon
  • Preto Ícone YouTube
  • Pinterest - Black Circle
  • TikTok
  • whatsapp-logo-4
Avalie-nosRuimNão muito bomBomMuito bomÓtimo!Avalie-nos

FORMAS DE PAGAMENTO:

TODOS OS DIREITOS RESERVADOS PARA CEZAR ALBERTO MENDES LAN HOUSE CNPJ 11.305.579/0001-17